sexta-feira, 18 de julho de 2008

Música

Se outras razões não houvesse ( e há ) para estar atento à Grécia, bastava esta "delícia".



Como é bom estar de férias e descobrir isto, enquanto se aguarda o "skype" grego.

domingo, 13 de julho de 2008

Férias

Começaram as férias e, na Foz, o vento saudou esse acontecimento, soprando com o vigor característico. A água, fria, não convida, mas o ritual ordena ... não hesites, que é pior.
A vesícula parece querer participar activamente no descanso. Esperemos que não mantenha essa vontade: não foi convidada e a companhia não é agradável.
O neto fez mais uma visita (relâmpago), que culminou com um concerto para bébés no CCC.
Os avós deliciaram-se a vê-lo bater nos "pauzinhos" oferecidos pelo actor músico.
Acho que pouco viram do espectáculo, mas foi bom ... a concentração era tanta no "único actor" em palco que tudo o resto se evaporou!

quinta-feira, 10 de julho de 2008

Acontecimento

Caiu a fachada do Lisbonense ...
Lamenta-se que um dos operários tenha sido atingido e, ao que se diz, com alguma gravidade. Espera-se que recupere e depressa.
De que serviu a polémica?
Dei uma volta, há bocado, pelo edifício que já está cá fora e percebi quão importante foi polemizar a fachada, para que o resto surgisse sem contestação ...
As obras continuam, ao contrário do que transmitem os orgãos de comunicação social.

sábado, 5 de julho de 2008

Palavras bonitas

CONFIANÇA
.
O que é bonito neste mundo, e anima,
É ver que na vindima
De cada sonho
Fica a cepa a sonhar outra aventura ...
E que a doçura
Que se não prova
Se transfigura
Numa doçura
Muito mais pura
E muito mais nova ...
Miguel Torga
Cântico do Homem
O meu neto faz hoje dois anos ...

quarta-feira, 2 de julho de 2008

José Sócrates

Primeiro-Ministro hoje na RTP1
Falou ... 'tá falado!
Um discurso sereno, escorreito, sem arrogância, humilde, sem se lembrar do próximo ano e apenas preocupado com decidir de acordo com a sua consciência.
Mensagem sempre presente: não há alternativa ... tem de ser!
Gaguejou um pouco na explicação do imposto a estudar para as petrolíferas e nos cálculos da redução do IMI.
Em tempos idos dir-se-ia:
" e para cúmulo da chatice, tanto falou ... e nada disse!"