terça-feira, 25 de agosto de 2009

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Palavras bonitas

(...) Com o pensamento, estou do outro lado do mundo, ultrapassei o vento e o mar, deixei para trás os cabos e as ilhas onde vivem os homens, onde nos prenderam. Como um pássaro, deslizei rente à água, seguindo o vento, na luz e na poalha do sal; aboli o tempo e a distância e cheguei ao outro lado, onde a terra e os homens são livres, onde tudo é realmente novo. Nunca tinha pensado nisso antes. É um espécie de embriaguez, porque naquele momento não penso em Simon Ruben, nem em Jacques Berger, nem mesmo na minha mãe, nem sequer no meu pai, desaparecido no meio das ervas altas acima de Berthemont; não penso no barco nem nos fuzileiros que andam à minha procura. Mas procurar-me-ão mesmo?
Não terei desaparecido para sempre por sobre o mar, suspensa no meu esconderijo de rochas, no meu ninho de pássaro, com o olhar fixo nas águas? O meu coração bate serenamente. Já não sinto medo, já não sinto fome, nem sede, nem o peso do amanhã. Sou livre, tenho dentro de mim a liberdade do vento e da luz. É a primeira vez.(...)
J.M.G. Le Clézio
Estrela errante

domingo, 9 de agosto de 2009

Nostalgia

O saibro ainda se mantém, alaranjado, contrastando com o verde do buxo ratinho que circunda os canteiros. O caramanchão das Strelitzia está enorme e adivinha-se a beleza que apresentará quando os bicos de pássaro mostrarem os seus amarelos, laranjas e azuis, a encimarem o verde dos seus caules. A cameleira lá permanece, de guarda ao portão do jardim, a marcar o início da beleza que vai surgir.
O vento, agreste, produz o mesmo som nas copas, bem altas, das árvores centenárias. Nos loureiros, os melros devem estar bem aconchegados, à espera que a perturbação passe e o dia clareie. Sente-se que os pardais estão lá bem no alto das palmeiras, atentos a tudo o que se passa.
A relva está fofa, o cenário montado, as cadeiras no lugar e as gentes importantes com o lugar nas cadeiras.
As luzes focam a casa onde se guardavam as alfaias. Quase de certeza que, agora, outro mimoso nela se resguardará da chuva.
Já não há caracóis ao fim da tarde, nem tão pouco coelho, grelhado, apanhado desprevenido no seu regresso à lura.
Sobem-se as escadarias, agora em passo lento, e recordam-se aqueles mesmos degraus, subidos dois a dois, sem qualquer dificuldade.
Não se vêem coelhos, nem perdizes, nem o jardim das rosas, o espaço das framboesas, o cantinho dos espargos.
Era de noite ...