segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Quotidiano

Fim de semana com dois dos netos a dormirem na Casa. Para o mais novo foi a primeira vez que partilhou a(s) noite(s) connosco.
A logística alterada, os hábitos modificados, as conversas "infantilizadas", tudo com a finalidade de obter gargalhadas e boa disposição, sem choros ou rabugices. 
Tudo correu lindamente e ontem, depois do jantar, regressaram ambos ao conforto das suas caminhas habituais e aos mimos dos pais ... quentinhos e inteiros!

Hoje, ainda antes das sete, sentei-me no carro e iniciei mais uma viagem para a "civilização". 
Havia uns restos do aguaceiro tremendo, que pouco tempo antes, desabara na cidade. 
A Rua Manuel Mafra parecia um ribeiro à procura da foz para desaguar. No passeio, um jovem pai empurrava o carrinho do  bebé, com ele (ou ela) talvez ainda a dormir, protegido da chuva pelo plástico. De onde viria? Qual o seu destino: casa dos avós, ama, infantário não, era demasiado cedo. Se viesse outro aguaceiro, o plástico suportaria? O pai conseguiria que o guarda-chuva impedisse a água de lá chegar? Àquela hora, quantos bebés circulariam no mesmo "meio de transporte"? 
As perguntas fizeram-me companhia até Lisboa mas, pelo menos no meu caminho, o tempo melhorou!

quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Presidenciais americanas

O 45º. Presidente dos USA foi eleito contra todas as expectativas, todas as análises, todos os estudos de opinião, todas as evidências.
Às 3 da manhã ainda se punha em dúvida se seria possível, mas a realidade impôs-se, dura, crua e ... cruel.
O crescimento económico anunciado no discurso de vitória começará pela construção do muro do México? As portas da América serão fechadas? As mulheres voltarão a casa, para se dedicarem exclusivamente aos tachos, às panelas, aos filhos e aos maridos?  
A França terá o mesmo destino no próximo ano, elegendo a Le Pen? 
A Hungria já exultou de alegria. Não vi (ainda) notícias da Guiné Equatorial nem do maluco coreano.
Tenhamos esperança que poderá correr "assim assim". Já seria bom!
Viva a cultura das "massas"!!!


sábado, 5 de novembro de 2016

Quotidiano ... futuro?

Goste-se ou não ( e eu gosto quase sempre), concorde-se ou não ( e eu concordo muitas vezes), Miguel Sousa Tavares fala e escreve sem papas na língua, exprimindo opiniões lúcidas e fundamentadas.
Do Expresso desta semana e da sua crónica "A loucura dos povos", respigo:

"... esse Brasil que o Rio de Janeiro representa acaba de cair nas mãos da IURD. Nada menos do que 1,7 milhões de cariocas, 60% dos votantes, entregaram a prefeitura do Rio de Janeiro ao bispo da IURD Marcelo Crivella, sobrinho e criatura do próprio chefe da quadrilha, Edir Macedo. Eu não conheço Crivella, mas conheço um pouco, e suficiente, sobre a sinistra IURD e conheci, numa entrevista televisiva, esse grande vigarista da fé que é Edir Macedo. E conheço bem, bem demais, a querida cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro. Não entendo o que uma e outra coisa - o Rio e a IURD - possam ter em comum. Mas um milhão e 700 mil cariocas acharam que sim: que Deus os proteja! Que os deuses protejam os povos da sua loucura! Que nos protejam da democracia. (...)
E, acabando em beleza:
"... Julgando saber, nunca tantos souberam tão pouco sobre tantas coisas. Julgando ser livres, nunca tantos se prestaram a ser cordeiros dóceis nas mãos de todos os manipulares. Durante muito tempo, acreditei que a grande desigualdade do futuro seria, não entre os que têm ou não têm dinheiro, propriedades ou oportunidades de negócio, mas sim entre os que têm ou não têm saber, cultura, informação. E acreditei que essa desigualdade seria cada vez mais visível e determinante e irremediavelmente a favor dos que adquiriram saber e informação - por condição, por sorte ou por mérito próprio. Mas, hoje, temo um mundo ainda mais injusto e assustador: um mundo onde uma maioria de ignorantes, formados nas redes sociais, tome o poder, pelas regras da democracia, e nos imponha as suas soluções e os seus valores. Um mundo do Facebook, da "Casa dos Segredos", do "Correio da Manhã" ou de um Donald Trump em cada esquina.

Não sou tão pessimista como Miguel Sousa Tavares e (ainda) tenho alguma esperança de que o saber, a cultura e a informação serão os vencedores. 
Mas não vai ser fácil, não!