quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Dança o cão, dança o gato, dança o feijão carrapato

Cheguei há pouco.
Cumprido o ritual da ida à caixa do correio, do telefonema para saber novas do meu antigo, da libertação do casaco, da gravata e dos sapatos, a pausa, merecida e necessária, folheando a Visão.
Hoje é dia de António Lobo Antunes e mergulho na crónica, sem hesitações ou cautelas.
Tem a ver comigo?! Disparate, só possível pelo cansaço do final do dia. Pensando melhor, talvez por sermos quase da mesma idade, a escrita contenha temas que eu poderia (?!) escrever ... "mas não era a mesma coisa".
Como é possível escrever tão simples ... e tão bem:
" (...) Diziam-me isto, em criança, e eu adorava. Voltou-me hoje à ideia, passado tanto tempo. Tanto tempo, uma ova: era menino, limitei-me a piscar os olhos e fiquei como agora.
Entende-se a maldade? Eu não entendo. Piscar os olhos é um instantinho, que raio de merda aconteceu? Mascararam-me com rugas, cabelos brancos, vontade de ir mais cedo para casa. Brincadeira de mau gosto, a idade. (...)

domingo, 15 de novembro de 2009

Adágios

Quando o mar bate na rocha ... quem se lixa é o mexilhão!

Foz do Arelho - 15.11.2009

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Palavras bonitas

IMPRESSÃO DIGITAL

Os meus olhos são uns olhos.
E é com esses olhos uns
que eu vejo no mundo escolhos
onde outros, com outros olhos,
não vêem escolhos nenhuns.

Quem diz escolhos diz flores.
De tudo o mesmo se diz.
Onde uns vêem luto e dores
uns outros descobrem cores
do mais formoso matiz.

Nas ruas ou nas estradas
onde passa tanta gente,
uns vêem pedras pisadas,
mas outros, gnomos e fadas
num halo resplandecente.

Inútil seguir vizinhos,
querer ser depois ou ser antes.
Cada um é seus caminhos.
Onde Sancho vê moinhos
D. Quixote vê gigantes.

Vê moinhos? São moinhos.
Vê gigantes? São gigantes.
António Gedeão
Movimento perpétuo