segunda-feira, 27 de setembro de 2010

É assim ...

... não melhorou e já não regressa à casa que foi sua durante quase treze anos.
O tumor a que foi operado há alguns anos tinha deixado sementes e estas disseminaram-se por vários orgãos. Estava "minado" pelo cancro.
Já não há mais "vamos ao jardim, cão velhote".

sábado, 25 de setembro de 2010

Fim de semana

A sexta-feira começou da pior maneira.
Logo pela manhã, o Skiffo não se movimentou na procura do biscoito rotineiro e permaneceu deitado, com os olhos mortiços, a pedir a ajuda que precisava sabe-se lá desde quando.
Tinha ficado bem na noite anterior, passeado pelo jardim como de costume e, embora os anos já vão pesando, nada fazia prever que ficaria doente.
Telefonema para a veterinária e lá foi ele para a clínica, Levado numa "padiola" feita com um tapete, apenas rosnou um pouco quando viu que um dos elementos que o transportavam não era conhecido ou, pelo menos, não lhe inspirava confiança. Umas festas, umas falas e acalmou.
Chegado ao carro, parece que adivinhou que, afinal, quem lhe iria valer não eram os donos e que a viagem ia ser para local desconhecido ou para um sítio que lhe traria recordações desagradáveis. Pela primeira vez, neste dia, exibiu o seu orgulho e, fazendo das fraquezas forças, levantou-se, rosnou, olhou para nós e transmitiu o seu desagrado pela viagem.
Está a soro, medicado e estacionário. Já foi diagnosticada uma insuficiência hepática e uma compressão nas vértebras cervicais. Malhas que a idade tece!
Mas vai melhorar ...

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Música portuguesa

Fora dos grandes circuitos, avesso às cedências, contra a corrente, raramente se ouve nas rádios ou nas televisões.

Lá pelo Ribatejo profundo, Pedro Barroso encontrará a inspiração para fazer coisas tão lindas como esta Tão Mulher, que faz parte do album Sensual Idade, gravado em 2008.

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Vindimas

Começou o corte dos cachos das videiras que, em Abril deste ano, no Douro, ainda nem sequer abrolhavam. O ritual de antigamente está hoje em desuso, exigindo-se a quem vindima um cuidado carinhoso com as uvas, para que o corte acrescente qualidade ao vinho que há-de resultar da cozedura do mosto.
Hoje cruzei-me com várias carrinhas que transportavam pessoas para as vindimas e, quando cheguei, fui à estante procurar Torga, lido há anos, mas a quem se volta sempre com prazer.
" (...) Encosta espraiada de cepas a olhar o rio ao fundo e o céu lá no alto, a Cavadinha, com o  nome em letras garrafais no arco de ferro que encima o largo portão da entrada, é o mimo das quintas. Uma alta ramada dá sombra ao caminho varrido que liga a estrada à residência, sólida construção sobranceira às várias dependências que a rodeiam: os lagares, os armazéns e a cozinha do pessoal. Casas caiadas de branco, telhado e tudo, como as de Penaguião, quando neva. Uma brancura para enganar o coração de quem vem.
A cal, porém, não chegava até à cardenha onde dormiam os vindimadores. Longe do terreiro, sobradada de palha e dividida em dois por uma meia parede que teias de aranha prolongavam até ao telhado, de um lado amontoavam-se as mulheres, do outro ressonavam os homens e as crianças, quando, depois de um dia de corte, de cestos e de lagar, caíam como tordos no chão.
- Onde se começa? - quis saber o Eusébio, ao deitar, numa curiosidade de boi pela molhelha.
- Na encosta do buxo, disse-me o tio Seara.
Dançado o último fandango, esgotado o reportório das cantigas, a tarde caíra sonolenta sobre as léguas do caminho. E agora, antes de se entregar inteiro a um repouso de morte, o corpo necessitava de conhecer em que sítio se iniciava a vida quando viesse a ressurreição.
- Aperte mais o rabo, tia Joana! - gritou de cá o Jerónimo, a um ruído suspeito do outro lado.
- Eu ainda não estou tão lassa como cuidas, ó alma do diabo! Fala ali com a Carminda ...
Um impudor de convívio chegado, de intimidade de paredes sem reboco e sem remate no tecto, rasgava o véu que cada natureza, principalmente se era feminina, trazia à volta de si. Velhas e novas, virgens e casadas, homens e meninos, olhavam-se descompostos e naturais, numa ironia tolerante.
- Ó tia Virgínia, que tal é o colchão?
- É-é-é ... bô-ô-ô ...
- E você, tia Angélica, reza a coroa?
- A minha alma já está no céu, só de vos aturar ...
- Fartei-me de uvas! - gabava-se o Chico, entoirido. - Até me dói a barriga ...
- Se te apertar, não me sujes ... Vai lá fora!
- Há pulgas, aqui! - gritou a Carminda.
- Queres que tas vá coçar?
Nenhum dito regressava sem troco, nenhuma intenção ficava por entender. (...)"
Miguel Torga
Vindima - 1945

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Graffiti

Em Outubro de 2007, os Couple Coffee estiveram nas Caldas, num tributo a José Afonso organizado pelo Teatro da Rainha, apresentando um trabalho de excelente qualidade intitulado Co'as tamanquinhas do Zeca.
Recentemente, Luanda Cozetti, a voz do grupo, gravou uma das músicas do album Graffiti, de Júlio Pereira. O disco é fantástico e reúne as vozes de Sara Tavares, Dulce Pontes, Olga Cerpa, Mariza Liz, Nancy Vieira, Manuela Azevedo, Maria João, Sofia Vitória, Filipa Pais e Luanda Cozetti, numa edição cuidada e muito bonita.
Não é fácil escolher entre tanta gente de nível, mas a música minha preferida é esta aguarela da lusofonia denominada "É um  dia, é um dia não".

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Palavras bonitas *

À CHEGADA DOS DIAS GRANDES

Da luva lentamente aliviada
a minha mão procura a primavera
Nas pétalas não poisa já geada
e o dia é já maior do que ontem era

Não temo mesmo aquilo que temera
se antes viesse: chuva ou trovoada
É este o deus que o meu peito venera
Sinto-me ser eu que não era nada

A primavera é o meu país
saio à rua sento-me no chão
e abro os braços e deito raiz

e dá flores até a minha mão
Sei que foi isto que sem querer quis
e reconheço a minha condição.
Ruy Belo
* Para o meu filho, que hoje faz 29 anos.