domingo, 21 de setembro de 2008

ESTILHAÇOS

  • Se o Governo Bush não interviesse na AIG, as reformas de uma grande parte da população americana desapareceriam;
  • A crise foi suavizada com a socialização dos prejuízos. Daqui a algum tempo, de novo se privatizarão os lucros, em busca da sempre eficiente gestão privada.

««««««««««»»»»»»»»»»

Com a devida vénia, um pequeno extracto da crónica de Miguel Sousa Tavares, no Expresso desta semana:

(...) No antigo faroeste americano, os que eram apanhados a fazer batota ao jogo eram despidos de tudo, pintados com alcatrão, cobertos de penas e expulsos da cidade. Hoje recebem milhões de indemnização para se irem embora e reformas vitalícias que são um escândalo público. Porque, quando a honra deixa de ser uma valor na vida em sociedade, a vergonha não pesa nada. (...).

GERAÇÃO / TRADIÇÃO

Com a tez franzida, marcada pelos anos e pela dureza do campo onde sempre trabalhou, pergunta à jovem elegante e bem parecida:

- Morreu-te alguém?

- Não !

- Ah .. toda de preto …

- Calhou assim hoje … gosto muito de preto.

- E o que vais vestir quando os teus pais morrerem?

Guardou no bolso as notas da pensão que acabara de levantar, murmurou algumas palavras "para dentro" e saiu.

A jovem ficou, corada, e sem resposta.

terça-feira, 16 de setembro de 2008

MERCADO



A falência do Banco Lehman Brothers e as enormes dificuldades da Seguradora AGI mostram que, afinal, a argamassa do mercado é "areia e areia".

Quase oitenta anos depois, repetir-se-á 1929?

Aguarda-se, com ansiedade, a opinião das mentes iluminadas … e o resultado do dominó!

Nota: O cartoon foi desenhado por António, em 1989, e tem o título de Erecção Imobiliária.

quinta-feira, 11 de setembro de 2008

Constatação

Na anedota, velha de barbas brancas, o madraço encontra o amigo e diz-lhe:
- Tenho um problema grave: de vez em quando dá-me uma vontade louca de trabalhar ...
- E que fazes, alma de Deus?
- Sento-me, calminho ... e espero que passe!

Trabalhar fora do local onde se reside tem algumas, poucas, vantagens e uma delas é, sem sombra de dúvida, a viagem.
Sem outra companhia que não a voz do António Macedo nas manhãs da Antena 1 e a música do Baile de Máscaras e outros, da 2, à tarde, os neurónios tendem a rebuscar "estórias" e, mentalmente, vão-se desenvolvendo grandes prosas que um dia, com um pouco de sossego, hão-de passar primeiro ao papel e depois ao Blog.
Tudo pensado ao pormenor, para que, primeiro, eu me delicie com o produto final e depois, que desperte algum interesse aos (poucos) leitores do Blog.
Chegado a casa, pego na Visão, leio António Lobo Antunes e concluo:
- Senta-te, calminho, e espera que passe ...

segunda-feira, 1 de setembro de 2008

Palavras bonitas ...

... para o meu filho, que hoje completa 27 anos, lá longe, junto ao Mar Egeu ...

DIA DE HOJE

Ó dia de hoje, ó dia de horas claras
florindo nas ondas, cantando nas florestas,
no teu ar brilham transparentes festas
e o fantasma das maravilhas raras
visita, uma por uma, as tuas horas
em que há por vezes súbitas demoras
plenas como as pausas dum verso.

Ó dia de hoje, ó dia de horas leves
bailando na doçura
e na amargura
de serem perfeitas e de serem breves

Sophia de Mello Breyner Andresen
Dia do Mar
Caminho