segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Livros (lidos ou em vias disso)

Mantenho, há muitos anos, o hábito de ler todos os dias, muito ou pouco, consoante a disposição e a disponibilidade. Tempos houve em que conseguia ler dois (às vezes mais) livros em simultâneo e não me "perdia nos caminhos". Agora já não há "paciência" para isso e dedico-me a um exemplar de cada vez.

Depois dos contos de Valter Hugo Mãe, referenciados aqui, já se sucederam mais meia dúzia de obras editadas em 2016 às quais, por uma razão ou por outra, não fiz qualquer referência e quase todas a mereciam. Estou a lembrar-me dos contos de Teresa Veiga (Gente melancolicamente louca) e de Mário de Carvalho (Ronda das mil belas em frol); de um romance de Carlos Campaniço (As viúvas de Dom Rufia), que me divertiu bastante ou do regresso de Possidónio Cachapa (Eu sou a árvore). Também não resisti à pressão do mercado e já li o primeiro volume d'A Amiga genial, de Elena Ferrante. Talvez que o Natal traga os outros três.

Neste fim de semana dei início à leitura das 574 páginas do penúltimo de António Lobo Antunes ( o último sairá esta semana, ainda não chegou à Casa mas já tirou o bilhete para a viagem). 
O que já li de "Da natureza dos Deuses" já vai dando para perceber que é mais um grande livro do meu escritor favorito, que exige concentração máxima e muitas voltas atrás. Apenas para ilustrar, a descrição de um diálogo sobre uma "invasão de propriedade" intercalada com muitas outras situações, de tal forma que a conclusão surge duas páginas após o início:
"(...) a Senhora e a mãe da Senhora no sofá, pessoas no pinhal, sobre uma manta, a almoçarem, a mãe da Senhora chamou o empregado de casaco branco
     - Quem é aquela gentinha Marçal?
o empregado de casaco branco a espreitar a janela
     - Parece que estão a comer minha senhora
(...) a mãe da Senhora para o empregado de casaco branco
     - Diga-lhes que não os quero ali porque aquele pinhal é meu
(...), o empregado de casaco branco contornou os canteiros, a estufa, o par de árvores da China na orla do jardim, abriu a cancela para o pinhal, abeirou-se da manta da família, com cestos, marmitas, talheres, apontou o reposteiro onde a mãe da Senhora e a Senhora o espiavam, falou, ouviu, tornou a falar, tornou a ouvir, uma criança ofereceu-lhe uma coxa de galinha, um homem apontou-lhe a colher, um segundo homem tirou a coxa de galinha à criança, brandiu-a no sentido da casa e o empregado de casaco branco principiou a regressar vencido, coçando a orelha, enquanto o segundo homem gritava, o empregado de casaco branco fechou a cancela como se aferrolhasse um cofre forte, passou um discóbolo de mármore, o caramanchão, a Vénus com a sua concha ao alto, apagou-se no ângulo da estufa e surgiu na sala, a mãe da Senhora para ele
     - Falou com a gentinha Marçal?
o empregado de casaco branco numa voz prudente
     - Falei
(...), a mãe da Senhora para o empregado do casaco branco
     - Avisou-os de que o pinhal é meu e não lhes dei licença Marçal?
(...), a mãe da Senhora para o empregado de casaco branco
     - E o que responderam eles Marçal?
o empregado de casaco branco a recuar um passo, a avançar um passo, a abrir a boca, a arrepender-se, a abrir a boca de novo, o empregado de casaco branco, no fim de uma pausa interminável, a conseguir um murmúrio
     - Responderam que
a mãe da Senhora, imperiosa
     - Assim não o oiço Marçal
e o empregado de casaco branco, de repente decidido, todos temos que morrer, não é, cerrando os olhos diante do abismo e a precipitar-se nele de voz cheia
     - Responderam que querem que se senhora se foda. 
António Lobo Antunes
Dom Quixote
Outubro 2015


quinta-feira, 13 de outubro de 2016

ONU

Terminou hoje o processo de eleição / designação do novo Secretário-Geral das Nações Unidas, depois de todos os candidatos terem prestado provas, ainda que um (uma) deles apenas tenha chegado para o exame final sem ter ido às "frequências" (devia ser "candidato auto-proposto").

A Assembleia Geral aprovou, por unanimidade e aclamação, a nomeação do português ANTÓNIO GUTERRES para um mandato que terá início no próximo dia 1 de Janeiro e terminará em 31 de Dezembro de 2021. Durante cinco anos, um nosso compatriota terá sobre os seus ombros a difícil tarefa de compreender e facilitar o entendimento dos interesses antagónicos do mundo, promover a paz entre os povos, diminuir as tensões religiosas, étnicas, regionais, económicas e sociais.

No seu discurso, Guterres chamou a atenção para a dignidade humana (ou a falta dela), para a guerra, para a fome, para os refugiados, sublimando os dramas com que convivemos no dia a dia, num replicar da Idade Média no Século XXI.

Estou convicto que António Guterres vai tentar tudo para deixar o mundo melhor do que o encontra e que, no final do seu mandato, não irá trabalhar para um Banco ...