quarta-feira, 30 de abril de 2014

Natureza

"Na Natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma."
Lavoisier (1743-1794)

sexta-feira, 25 de abril de 2014

25 de Abril

As minhas amigas Liberdade e Democracia festejam o seu aniversário no mesmo dia que eu, com vinte e dois anos de diferença, tempo que me desfavorece em termos matemáticos.
Hoje procurei-as para um balanço destes 40 anos que partilhamos, tentando, nessa visita, perceber se os três mantínhamos a mesma vitalidade para transformar, alterar, progredir, inovar, melhorar, consolidar e, supremo, tentar sempre que todos possam viver melhor amanhã do que viveram hoje.
Não as senti animadas.
A Liberdade sente-se atropelada, vilipendiada, enxovalhada e faz um esforço grande para subsistir. Diz que não a deixam dar igualdade de oportunidades a todos e que, sem isso, a sua função não existe. A preocupação quanto ao futuro mina-lhe a saúde, cria-lhe ansiedade, tira-lhe o sono. Tem receio de ser de novo engavetada no quarto do obscurantismo que tão bem conhece e do qual não tem quaisquer saudades. Sente-se triste por ser só de alguns e que esses alguns procurem, a todo o custo, que ela ignore os muitos que lhe deram vida há quarenta anos.
A Democracia lastima-se também.
- Ainda só tenho 40 anos e já me querem colocar na redoma, controlar-me, deixar-me aparecer de quando em vez, apenas para legitimar quem fica a mandar e, depois, não se preocuparem mais comigo. Confesso que, há 40 anos, estava longe de imaginar que iria ser assim.
Não alimentei mais conversa. Seria contribuir para que as minhas amigas se deprimissem ainda mais porque, também eu, estou farto de ouvir falar de mercados, juros, dívida, défice, sacrifícios, imposições, troika, austeridade, cortes, reduções e outros palavrões.
"Eu sou parvo ou quê?", como dizia Zé Mário Branco.
Falam de cátedra, pregam sermões, dizem como foi, como é e como vai ser, e eu ... sou limitado, mentecapto, inútil, estúpido, ignorante, débil, incapaz de fazer o que quer que seja sem a sua (deles) sapiência, que determina, manda, ordena, sem apelo nem agravo.
Fiz 22 anos em 25/04/1974 e até chegar esse dia já tinha comido muito pão que "o diabo amassou".
Sobra-me, ainda, vontade para mudar, mas falta-me paciência para os aturar!

EU SOU PORTUGUÊS AQUI
Eu sou português
aqui
em terra e fome talhado
feito de barro e carvão
rasgado pelo vento norte
amante certo da morte
no silêncio da agressão.

Eu sou português 
aqui
mas nascido deste lado
do lado de cá da vida
do lado do sofrimento
da miséria repetida
do pé descalço
do vento.

Nasci
deste lado da cidade
nesta margem 
no meio da tempestade
durante o reino do medo.
Sempre a apostar na viagem
quando os frutos amargavam
e o luar sabia a azedo.

Eu sou português
aqui
no teatro mentiroso
mas afinal verdadeiro
na finta fácil
no gozo
no sorriso doloroso
no gingar dum marinheiro.

Nasci
deste lado da ternura
do coração esfarrapado
eu sou filho da aventura
da anedota
do caso
campeão do improviso,
trago as mãos sujas do sangue
que empapa a terra que piso.

Eu sou português 
aqui
na brilhantina em que embrulho,
do alto da minha esquina
a conversa e a borrasca
eu sou filho do sarilho
do gesto desmesurado
nos cordéis do desenrasca.

Nasci
aqui
no mês de Abril
quando esqueci toda a saudade
e comecei a inventar
em cada gesto
a liberdade.

Nasci
aqui
ao pé do mar
duma garganta magoada no cantar.
Eu sou a festa
inacabada
quase ausente
eu sou a briga
a luta antiga
renovada
ainda urgente.

Eu sou português
aqui
o português sem mestre
mas com jeito.
Eu sou português
aqui
e trago o mês de Abril
a voar
dentro do peito

JOSÉ FANHA

terça-feira, 22 de abril de 2014

Emprego

Foi realizado em 2008, mas só recentemente mão amiga mo fez chegar.
Ainda assim, vale a pena utilizar cerca de 6 minutos do tempo que é precioso para todos e apreciar a mensagem para o futuro.

sexta-feira, 18 de abril de 2014

Gabriel García Márquez

Desapareceu ontem, aos 87 anos, um grande vulto da literatura mundial.
Gabriel García Márquez ou Gabo, como era tratado pelos íntimos, escritor colombiano galardoado com o Nobel da Literatura em 1982, deixa-nos uma obra genial, que continuará a despertar em muitos o gosto pela leitura e noutros o prazer de a ela sempre voltar.
"(...) 
- Dormi muito - bocejou o senhor Herbert.
- Séculos - disse o velho Jacob.
- Estou morto de fome.
- Toda a gente está assim - disse o velho Jacob. - Não tem outro remédio senão ir à praia desenterrar caranguejos.
Tobías encontrou-o a escavar na areia, com a boca cheia de espuma, e espantou-se de que os ricos com fome se parecessem tanto com os pobres. O senhor Herbert não encontrou caranguejos suficientes. Ao entardecer, convidou Tobías a procurar algo de comer no fundo do mar.
- Oiça - preveniu-o Tobías. - Só os mortos sabem o que há lá dentro.
- Também os cientistas o sabem - disse o senhor Herbert. - Mais abaixo do mar dos naufrágios há tartarugas de carne requintada. Dispa-se e vamos.
Foram. Nadaram primeiro em linha recta e depois para baixo, muito fundo, até onde se acabou a luz do Sol, e depois a do mar, e as coisas eram só visíveis pela sua própria luz. (...)"

Gabriel García Márquez
O mar do tempo perdido

terça-feira, 8 de abril de 2014

A gravata

Permitam-me que me apresente: sou jovem,bonita, vaidosa, convencida, tenho cerca de um metro de comprimento, mais larga na base do que no início, e ando na rua, como muita boa gente, sempre com um nó.
Vivo numa "assoalhada", um espaço preenchido com dezenas como eu mas, indiscutivelmente, sou a mais bonita de todas. Sou vermelha, não o vermelho benfica nem o vermelhão da moda, mas um vermelho belo, salpicado de pintinhas cor de cinza, na parte mais larga de mim. Sem falsas modéstias, tenho muito orgulho na minha beleza e sei bem o que isso contribui para o meu sucesso e o de quem me usa.
Ontem ouvi uma conversa cá em casa - não que eu seja coscuvilheira, mas calhou, e não rejeitei a oportunidade - e convenci-me logo que, no dia seguinte, iria haver passeio, andar na rua, ver pessoas, ouvir vozes, sentir o calor do sol este ano ainda tão arredio ou apanhar chuva (ouvi a conversa mas não escutei as previsões metereológicas), em suma, sair e contribuir com os meus préstimos para mais um dia de progresso do país de onde sou natural, onde cresci e onde vivo. Imaginei logo que iria entregar-me a uma camisa de um esplendoroso branco e que o fato seria o antracite das grandes ocasiões.
Desilusão!
De manhã, o meu dono não me pegou para fazer o nó e percebi que, afinal, ele iria com uma camisita vulgar, de colarinho aberto, sem qualquer nível no atavio.
No regresso, o semblante vinha carregado e a voz não trazia a doçura do costume. 
-  Esperei uma eternidade, ouvi coisas incríveis, respostas que não lembram ao diabo, gente tratada "à pedrada", fui mal atendido mas, quase por favor, lá me resolveram o problema, recebendo o que eu queria pagar.
Bem feito, disse para comigo. Se me tivesses levado, eras tratado com todo o requinte, porque eu assim o determino e, no fim, terias direito a uma vénia, um grande agradecimento e um "foi um prazer", porque o "hábito faz o monge" e a indumentária deve ser a padronizada para se ser tratado como gente.
Com gravata, naturalmente...