quinta-feira, 28 de maio de 2009

Análise


Se fosse convidado para um dos muitos debates que, sobre o caso BPN, se têm realizado nos vários canais televisos, o Zé diria:

- Ao "puxar a brasa à sua sardinha", Oliveira e Costa mostrou que "quem mente nunca acerta".
No Tribunal da opinião pública, Dias Loureiro não consegue demonstrar que "quem cabritos vende e cabras não tem, de algum lado vem" e confirma a Cavaco que "amigos, amigos, negócios à parte".
Cadilhe, entretanto, evita "rir do mal do vizinho, que o seu pode já vir a caminho", embora o seu PPR esteja, em princípio, a bom recato e protegido pela legislação criada por ele próprio, quando era Ministro das Finanças.
Apesar de todas as modernices, parecem não restar dúvidas que, como sempre, "quando o mar bate na rocha, quem se lixa é o mexilhão".

quarta-feira, 20 de maio de 2009

Geni e o Zepelim

Hoje, bem cedo, num apontamento de António Macedo intitulado "as canções da vida" de pessoas que convida para essa escolha, a Antena 1 recordou a Geni, de Chico Buarque.
Composição gravada há cerca de 30 anos no album Ópera do Malandro, faz parte de um espectáculo musical com o mesmo nome, com inúmeras representações no Brasil e que tive a felicidade de ver, há alguns anos, no Coliseu dos Recreios.
Recentemente, no CCC, revisitei a genialidade de Chico Buarque, assistindo ao musical Gota d'Água que, sendo um bom espectáculo, não atinge o esplendor e a beleza da Ópera.
Abreviando e voltando ao início: a Geni é fabulosa e mantém, apesar dos seus mais de 30 anos, toda a actualidade. Estão lá os preconceitos, a ingratidão, os fins a justificarem os meios, "qualidades" que, por cá, se vão mantendo em abundância.

segunda-feira, 18 de maio de 2009

Desemprego

Um contrato que não se renova e mais um a engrossar a longa lista, que pode ter erros, omissões, deficiências informáticas, registos perdidos, mas é cada vez maior.
O posto de trabalho justifica-se e a substituição impõe-se.
A empresa de trabalho temporário resolve o problema: coloca a "mão-de-obra", com contrato mensal, sem férias, sem subsídios, sem perspectivas, sem horizontes, "carne para canhão".
Mais um posto de trabalho criado ... e novo.

domingo, 17 de maio de 2009

Fim de semana

O Museu José Malhoa foi remodelado.
Está mais bonito, arejado, afectuoso, até parece maior!
As ligações ao exterior dão-lhe uma profundidade e uma luz tão cativantes, que as obras expostas adquirem (ainda) mais vida própria.
A Vida de Cristo, de Rafael Bordalo Pinheiro, está agora num local nobre, os quadros sobressaem mais, as esculturas ganham vida nas ilhas que vão aparecendo ao longo do percurso.
A Matilde (posso tratá-la assim) está de parabéns. O trabalho e dedicação de uma vida àquela casa saltam à vista.
Amanhã é (mais um) dia de festa no Museu e hoje, Domingo, toda a gente que lá trabalha (Directora incluída) se afadigava nos preparativos, depois de, ontem, terem organizado uma noite no Parque, recreando o ambiente dos "Loucos anos 20".
Atravessado o Parque, um saltinho ao Centro de Artes e a primeira visita ao novo Espaço da Concas.
Vale a pena, pelos quadros e desenhos de uma artista prematuramente desaparecida e pela dedicatória implícita na única obra exposta que não é da sua autoria.
É bom passear nesta cidade.

Palavras bonitas

FRONTEIRA

De um lado terra, doutro lado terra;
De um lado gente, doutro lado gente;
Lados e filhos desta mesma serra,
O mesmo céu os olha e os consente.

O mesmo beijo aqui, o mesmo beijo além;
Uivos iguais de cão ou de alcateia,
E a mesma lua lírica que vem
Corar meadas de uma velha teia.

Mas uma força que não tem razão,
Que não tem olhos, que não tem sentido,
Passa e reparte o coração
Do mais pequeno tojo adormecido.
Miguel Torga
Libertação

terça-feira, 5 de maio de 2009

4' 52''

No interior de um mail parco em palavras, o endereço.
A curiosidade tinha sido aguçada por SMS, com um singelo "vai ao mail", sem quaisquer pistas sobre o enigma.
No assunto, um Ai, Jesus, que criou algum alvoroço e uma ligeira descompensação da máquina.
Pouco antes do contacto de rotina com os "frutos da Ginja", as novas tecnologias levaram-me ao cinema, no pequeno ecran do computador da secretária.
E vi, vi de novo, tornei a rever hoje; um pequeno documentário, um "thriller" de uma grande metragem que está a ser realizada e vai dar um grande filme!
E que belo é o cinema ...