quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

Palavras bonitas

PERSPECTIVA

Olho a sebe de versos que plantei
Ao longo do caminho dos meus dias:
Tristezas e alegrias
Enlaçadas
Como irmãs vegetais.
Silvas e alecrim ...
O pior e o melhor que havia em mim,
Num abraço de arbustos fraternais.

Nada quero mudar dessa harmonia
De agruras e doçuras misturadas.
Pasmo é de ver a estranha maravilha.
Poeta que partilha
O coração magoado
Por presentes e opostas emoções,
Contemplo, deslumbrado,
O renque de vivências do passado,
Longo poema sem contradições.

Miguel Torga
Câmara Ardente
Gráfica de Coimbra

terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

Lagoa de Óbidos

As manilhas separaram-se e o seu conteúdo "mergulhou" na Lagoa. O acidente, dizem-me, aconteceu há quase 15 dias, mas a situação mantém-se.
...
Salta o esgoto,
cai o muro,
morre o porco
no monturo;
e no porto
o sussurro
dos navios
enche o escuro;
ardem corpos,
ardem blocos,
cresce o rio;
sobre os puros
e os impuros
tomba o frio
prematuro
do futuro;
grasna o corvo
que assistiu
a um outro
terramoto.
Terramoto,
te esconjuro!
David Mourão-Ferreira
Obra Poética
Editorial Presença

sábado, 21 de fevereiro de 2009

Adágio da semana

" O BOM FILHO À CASA TORNA "
Dos jornais:
Dias Loureiro vai voltar a ser ouvido na Comissão de Inquérito parlamentar ao BPN

terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

Quotidiano

Nos arredores, não num cinema perto de si, mas numa localidade não muito longe da urbe.
- Que se passa contigo hoje?
- Dói-me o corpo todo, não me consigo mexer.
- ?! Caíste?
- Não. Agora durmo todo enrolado, num sofá pequenino.
- ?!
- Dormia com a minha mãe; arranjou um namorado, fui dormir com a minha avó. Há três dias, a minha avó também arranjou um namorado ...

sábado, 14 de fevereiro de 2009

Crise (6)

Por dever de solidariedade para com os mais pobres, parece que os impostos de quem recebe (e paga) mais vão sofrer um agravamento, situação que deve merecer a compreensão de quem, felizmente, pode dispender alguma ajuda em benefício de quem dela necessita.
Para que o "povoléu demagogo" não continue a dizer que só paga impostos quem trabalha por conta de outrém, poder-se-iam criar algumas medidas de excepção que contribuissem para minorar os buracos BPN, BPP e outros que estejam a chegar, e auxiliar quem, de facto, precisa.
Tendo presente a premissa e enquanto não fosse "decretado" o fim da crise, não deveria ser possível:
  1. Imputar na contabilidade das empresas almoços, jantares, dormidas e viagens dos seus sócios e quadros, salvo se de claro interesse para as mesmas, devidamente justificado;
  2. Contabilizar os custos das operações de leasing e renting de veículos automóveis, não imprescindíveis para a actividade empresarial;
  3. Atribuir cartões de crédito a quadros e contabilizar despesas confidenciais e não documentadas.

Não se resolveriam os problemas, mas seria dado um sinal de que é possível mudar alguma coisa e que não fique tudo na mesma.