segunda-feira, 31 de outubro de 2011

A mais bela Lagoa da Europa

Os créditos da bela realização vão para Mário Santos, que carregou esta beleza em 18/10/2011.
Os agradecimentos devidos ao meu amigo VB, que me deu o privilégio de a admirar.



E como não há bela sem senão, como é possível sermos tão porquinhos e despejarmos tanta porcaria num sítio tão bonito ...

domingo, 30 de outubro de 2011

Palavras bonitas

RIO

Rio, múltipla forma fugidia
De gestos infinitos e perdidos
E no seu próprio ritmo diluídos
Contínua aparição brilhante e fria.

Nos teus límpidos olhos de vidente
As paisagens reflectem-se mais fundas
Imóveis entre os gestos da corrente.

E o país em redor verde e silvestre
Alargou-se e abriu-se modulado
No silêncio brilhante que lhe deste.
Sophia de Mello Breyner Andresen

sábado, 22 de outubro de 2011

Crise

Vivemos um momento único, para o qual se necessita de ponderação, capacidade de análise, inteligência, solidariedade, motivação, verdade, discussão mais um sem número de adjectivos que saem da capacidade de um mortal tão comum quanto eu.
Nos (muitos) anos que já levo, habituei-me a ler, ouvir, concordar, discordar, render-me à evidência do maior saber, desligar quando a estupidez dos argumentos me causa comichão, tudo isto aliado à capacidade de reconhecer quão difícil é o saber e o constrangimento que causa o desconhecimento e a incapacidade com que, muitas vezes, sou confrontado.
Miguel Sousa Tavares, uma vez mais, escreve no Expresso desta semana uma brilhante e lúcida crónica, da qual eu gostava muito de ter sido autor. Respigo uma pequena parcela:
"... A ingenuidade de Passos Coelho foi imaginar que tinha a solução no bolso e que para tal lhe bastava fazer o que os socialistas se recusavam a fazer. Afinal, como reconheceu Vítor Gaspar, numa entrevista há uns dois meses, gerar poupanças no Estado é bem mais difícil e demora bem mais tempo do que subir impostos e cortar salários, pensões e prestações sociais. O exemplo extremo desta ligeireza ideológica é a história da descida da TSU para as empresas, para estimular a sua competitividade. Se bem se lembram, foi a medida emblemática do programa eleitoral do PSD e o tema principal do decisivo debate televisivo entre Sócrates e Passos Coelho. Passos garantia que descia a TSU em 7 ou 8 pontos e financiava a descida através da subida de escalão de algumas taxas intermédias do IVA. Afinal, o que aconteceu é que a TSU desceu zero, mas, em contrapartida, subiu o IRC para as empresas, os trabalhadores vão ser forçados a trabalhar mais meia hora diária grátis e quase todas as taxas intermédias do IVA subiram para o máximo! Digam-me lá quantos votos teria tido o PSD se tem anunciado isto em campanha? E sabem porque tudo mudou, afinal? Porque, como confessou Vítor Gaspar esta semana, a descida da TSU era um modelo de trabalho académico, estudado em algumas Universidades, mas jamais testado na realidade, tamanhos são os riscos que acarreta ...
O meu medo é que esta história seja emblemática: que estejamos a ser governados em obediência a um modelo teórico dos académicos liberais, cujas teses de "governo mínimo" estoiraram com a economia mundial. Que sejamos uma espécie de cobaia para os seus ensaios ideológicos, que, de lógicos, nada têm.(...)"
E acrescento eu, parafraseando: É o mercado, estúpido!

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Semelhanças

Quando entrei no mercado de trabalho - há quantos anos, já lhe perdi a conta! - não havia subsídio de férias (nem férias), não existia subsídio de Natal (o Natal existia mas era bem mais curtinho) e o horário era uma coisa que constava de um papel afixado no escritório (havia um senhor que era o fiscal do dito) que, na prática se resumia a ter a hora de entrada e a hora de saída, com intervalo para almoço, para que o tal referido senhor consultasse quando visitava a empresa, na sua missão soberana de zelar pelo cumprimento da lei e, já agora, da ordem.
Passadas estas dezenas de anos, o horário já desapareceu há muito mas ainda consta do papel e os subsídios de férias e de Natal vão seguir-lhe o caminho.
Regredir é a palavra de ordem, ninguém sabendo onde se situará o fim desta "descida aos infernos".
Espera-se que a meta não seja o regresso a uma sociedade arcaica, castradora, insensível, desigual, propiciadora de situações como a que António Lobo Antunes ficciona no seu último romance, Comissão das Lágrimas:
"... um animal vindo por momentos à superfície de um sonho e mergulhando logo numa inércia de afogado, a lareira que não aquecia, fritava e o tio a cabecear no banquito que era o único baloiço que tivera na vida, a tia que o marido entrega ao avô, no dia seguinte ao casamento, por não estar completa
      - A sua fruta tem bicho
e não comia com eles, estendiam-lhe o prato e acocorava-se no arco do forno, de chapéu na cabeça a tapar-lhe a cara..."

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Euro 2012

O trabalho deu frutos...
Após 16 jogos sem conhecer a derrota, a Grécia está apurada para o Euro 2012 e o "meu menino" também tem uma quota parte de responsabilidade nesse sucesso.
Parabéns para todos, num dia de nervos e de alegria, apenas ensombrada pelo não apuramento directo da selecção de Portugal.