domingo, 27 de maio de 2012

FCP Campeão Europeu 1987

Passam hoje 25 anos sobre a vitória do Futebol Clube do Porto na Taça dos Clubes Campeões Europeus de futebol, a que assisti após mais de 4.000 Km de uma viagem cheia de aventuras e de peripécias, sem GPS nem moeda única, com passaporte e revista, demorada e bem inquirida, em todas as fronteiras.
Com um mapa sobre o qual tinha sido marcado o percurso que parecia mais adequado, oito "malucos" partiram à aventura, com 3 tendas, mantimentos, vontade e pouco dinheiro, compraram os bilhetes para o jogo já em Viena, foram gozados pelos alemães antes do mesmo, assistiram ao silêncio de muitos milhares aquando do calcanhar do Madjer e ao barulho ensurdecedor de meia dúzia de centenas de "portugas", cá dos confins do "sul mandrião", após o golo de Juary e até ao final da festa. Foi bonito!
Os adeptos do Bayern, que nos cumprimentaram na estrada e nos acessos ao estádio com gestos de dedos, uns referindo o número de golos que iriam marcar e outros aquele sinal, igual em todo o mundo, dos dois dedos encolhidos para um esticado, renderam-se à evidência de que "vale mais quem quer que quem pode", guardaram a arrogância no bolso e regressaram ao seu país com um "melão" bem maior do que aquele que, este ano, lhes voltou a calhar, com a diferença que, agora, a viagem ainda foi mais curta.

sexta-feira, 18 de maio de 2012

Luzes de Leonor

Cheguei ao fim!
São 1054 páginas de um português adjectivado, substantivo, recheado de belíssimos e desusados vocábulos, num romance sobre a história da Marquesa de Alorna, poetisa, neta de Leonor de Távora. 
Ao longo da viagem histórica e romanceada, visita-se e reflecte-se sobre o despotismo de Pombal, as intrigas da corte, o papel das mulheres, o luxo, a superficialidade, os amores, as traições, os casamentos de conveniência, a "loucura" da Rainha e o oportunismo do Príncipe, as baixezas de Pina Manique, a revolução francesa, os interesses dos Estados, a política (só para homens), a poesia e os poetas, numa descrição cativante e empolgante, que faz ressaltar sempre a ânsia do saber, os livros, os ideais, as ideias, as Luzes que comandam, mesmo que, aos olhos da grande maioria, surjam descabidas, sem nexo, sem interesse, importância ou justificação.
Um grande livro!

terça-feira, 15 de maio de 2012

Quotidiano ... em férias

Embora não seja (ainda) sexagenário, o computador parece já ser da "idade da pedra lascada" e lá me vai pregando partidas, não funcionando quando deve, muito menos quando eu quero, mas quando lhe apetece ou lhe dá na real gana.
Tinha alinhavado meia dúzia de linhas sobre o fim de semana que, entretanto, perderam oportunidade e actualidade.
Fica apenas a referência a (mais) um grande concerto de Bethânia no Coliseu e uma lição de história no CCC, com muitas "estórias" à mistura, as quais, tudo o indica, irão surgir em mais um livro do Juiz Carlos Querido.
Ontem cumpriu-se o ritual, assistindo-se ao concerto do 15 de Maio, fraquinho na qualidade e fortíssimo nos decibéis (será da idade?).
Uma ida à Foz, o corte das pernadas dos pessegueiros que não aguentaram o peso da idade e dos frutos e ... dois dias já lá vão!

sábado, 12 de maio de 2012

Bernardo Sassetti

Já só figura na memória e na estante dos discos.
Partiu um grande, um extraordinário músico.
Fica a obra do génio e a afabilidade, simpatia e humildade de um homem com quem tive o privilégio de privar, em três ocasiões distintas, nas quais me demonstrou (como se eu não soubesse) que não é preciso dizer ou fazer constar que se é bom: está à vista!

terça-feira, 8 de maio de 2012

Alma mater

A luz, tão intensa quanto a dos teus olhos, as nuvens, que muitas vezes te trouxeram tempestades, a música, que não me trauteaste ao ouvido.
Fazias (fazes) hoje 89 anos.
Obrigado, mãe.