segunda-feira, 27 de maio de 2013

Efeméride

Passam hoje 50 anos da morte de Mestre Aquilino Ribeiro, o escritor que ainda agora me obriga a ler, reler e a ter o dicionário por perto, para aprender mais uma, duas, três, muitas palavras novas que sempre surgem, demonstrando que a língua portuguesa é muito mais rica do que aparenta, pelo cada vez mais reduzido vocabulário que vamos usando.
Aquilino foi grande na "Casa Grande de Romarigães", nas "Terras do Demo", no "Malhadinhas", em "Quando os lobos uivam" ou no "Um escritor confessa-se", e em tantos outros, nas mais de seis dezenas de livros que publicou.
O excerto abaixo é da "Geografia Sentimental", livro escrito em 1951 e reeditado pela Bertrand em 2008, que retrata o Portugal profundo e as suas formas de viver, sofrer e trabalhar.
"(...) salvo que o menino, o Quinzinho, viera ao mundo muito enfezado, muito raquítico, velhinho de todo. Ninguém dava nada por ele. Em pequeno era um rolho de bichas, que a mãe ajoujava com um rosário de dentes de alho e escapulários ao pescoço. Depois com a infância, sempre amarelo, sempre a tremer as maleitas, umas enfermidades a seguir às outras, escarlatina, sarampo, dizem que as bexigas negras, que não deitam para fora, e deixam o picado por dentro, só estava bem detrás dos potes da vianda. O homem desesperava-se:
- De que vale tanta labuta, mulher? O nosso menino nunca há-de ser gente!
- Quem sabe lá! Olha, homem, pode ser que Deus Nosso Senhor se amerceie da gente. Chamemo-nos a Santo Antão, se até às sortes o nosso Quim enrijar e estiver em condições de deitar as correias às costas, prometemos-lhe ... prometemos-lhe o quê?
- Dize lá tu?
- Prometemos-lhe a cera que se possa comprar com o dinheiro duma vaca, a melhor vaca, que a essa altura, a gente tenha na loja. Combinado?
- Caramba, o Santo Antão tem para se alumiar à tripa-forra uns dois ou três anos! Será muito prometer, mulher! - foi proferindo ele.
(...) Aos dezanove anos o Quim lidava rijo e fero. Tanto era capaz de rachar um carro de cavacos em meia manhã como dar uma beirada nas malhas, de rópia com as mais valentes mangueiras. À porta da igreja apareceu colado finalmente o rol dos mancebos em idade militar que haviam de ir à inspecção, e o pai veio ter com a mulher coçando a nuca:
- Agora, arrota!
- Arrota o quê?
- A promessa a Santo Antão!
(...) Ataviaram-se com andainas de ver a Deus para ir à feira e, que remédio, tiveram de advertir o moço da obrigação inelutável. Quando tal soube o Quim deu por paus e pedras, não se cansando de censurar à mãe que se tivesse abalançado a tão desorbitado voto, sendo certo que uma avé-maria, dita com unção, vale aos olhos de Deus tanto como a embaixada que D. Manuel mandou ao Papa. (...) - Traga também um galo! - disse o Quim no momento de despegar para a feira com a vaquinha presa já por uma corda, em cruz de ponta para ponta.
(...) - Para que quer dois galos? Para as pitas que tem, chega-lhe um. Ou pagam-lhe para galar as galinhas cá da terra? (...)
- Quanto a germela?
- Uma libra ... (...) 
- Palavra de rei: custa uma libra! (...)
- Está castigado! A vaca é minha.
- Mas alto ...! - exclamou o Quim. - Ainda não disse a palavra derradeira ...
(...) - Quem levar a vaca tem de levar o galo. Senhora mãe mostre cá o frangão ...
(...) - Se é isso, também levo o galo. Quanto?
- Vinte libras. (...)

sábado, 25 de maio de 2013

Quotidiano

Ontem, perdi o metro por pouco.
Começava a descer a escada quando o silvo anunciou o fecho das portas e ... foi-se!
Vou no próximo. O aviso informa que faltam apenas quatro minutos.
Do saquinho retiro o último livro de Manuel Alegre - Tudo é e Não é - e continuo a leitura, suspensa desde a manhã, bem cedinho, na viagem inversa.
Chega a "cobra subterrânea".
Sai gente, muita, e no gesto há muito automatizado, entro,  quando o turbilhão de apressados me permite. Consigo encostar-me à porta do lado oposto, que é o sítio onde mais gosto de viajar e que, normalmente, me permite ler sem problemas. 
Não ouço nada do barulho ensurdecedor que existe à minha volta. Tão pouco vejo ou reparo em quem quer que seja. Concentração absoluta, que o fim do capítulo está mesmo a chegar.
Acabou.
Levanto os olhos e ouço duas jovens (trinta, trinta e cinco anos):
- Ainda não me habituei bem, mas já consigo ler no ipad.
- Eu não sou capaz. Preciso de folhear o livro, sentir o papel...
- Mas é muito prático e muito mais barato. Estou a ler um, bem sei que é inglês, mas custou 3 Euros. Se fosse em papel, não custaria menos de 15.
Pois é! E o cheiro do livro? E o ritmo das folhas? E a capa? E o ritual da compra? 
Na próxima semana vou à Feira do Livro. Só ainda não sei o dia!


terça-feira, 14 de maio de 2013

A redenção das águas

O final da tarde do passado domingo foi passado no CCC, a assistir ao lançamento do livro "A redenção das águas - As peregrinações de D. João V à vila das Caldas", de Carlos Querido. 
Romance histórico, bem escrito (posso testemunhar porque já o li), o livro relata as vindas do Rei magnânimo às Caldas, na procura de remédio para as suas maleitas nas águas sulfurosas, e conduz-nos numa viagem pelos costumes, privilégios, subjugações, amor e intrigas da época, deixando-nos, nalguns casos, a dúvida sobre se estamos no século XVIII ou no XXI.
A apresentação foi precedida de uma lição de história das Caldas, da minha amiga Isabel Castanheira, que, socorrendo-se de muitas páginas da literatura, traçou paralelos entre o ontem e o hoje que devem ter feito corar muita gente.
Do livro, cuja leitura se recomenda vivamente, um pequeno excerto:
"O povo sabe que não pode aspirar ao luxo e ao conforto do rei e da corte que o rodeia, mas essa impossibilidade não lhe traz qualquer sofrimento. Cada um conhece o lugar que lhe foi destinado na vida terrena. À Igreja incumbe a tarefa de dizer ao povo, do alto dos seus púlpitos, que, se aceitar com resignação e sem revolta a condição desta vida efémera, alcançará o único desígnio que verdadeiramente interessa, a eternidade abençoada, um lugar no céu, no tempo sem limite. Abençoados clérigos que sossegam os espíritos simples e mantêm tranquila a multidão. Bem merecem os privilégios, as mercês e as dádivas que recebem das mãos generosas e reconhecidas do soberano. O rei não poderia ser feliz com um povo revoltado contra a sua condição. E a felicidade do rei é a felicidade do povo."

quarta-feira, 8 de maio de 2013

Palavras bonitas

Para a minha mãe, que faria hoje 90 anos, se por cá ainda permanecesse, como era justo.

REMINISCÊNCIA

Prossegue o pesadelo.
Feliz o tempo, que não tem memória!
É só dos homens esta outra vida
Da recordação.
E tão inúteis certas agonias
Que o passado distila no presente!
Tão inúteis os dias
Que o espírito refaz e o corpo já não sente!
Continua a lembrança dolorosa
Nas cicatrizes.
Troncos cortados que não brotam mais
E permanecem verdes, vegetais,
No silêncio profundo das raízes.

Miguel Torga
Penas do Purgatório

quarta-feira, 1 de maio de 2013

Lagoa de Óbidos

Há cerca de três anos Contente conquistou lugar aqui, apesar de se apresentar cansado e, aparentemente, sem qualquer utilidade.
Todavia, quem passear à beira da Lagoa poderá verificar que Contente voltou às lides, remoçado e com boa companhia.
Talvez tenha sido a crise que o obrigou a voltar, à procura de um pouco mais de sustento para a mesa, talvez as companhias tenham ajudado, talvez, talvez ...
O facto é que o Contente voltou a navegar nas águas calmas da Lagoa, na companhia do Feliz e de muitos outros, alguns com nomes bonitos de mulheres ou nomes de mulheres bonitas, vá-se lá saber.
A Maria Alice está de pernas para o ar. Um destes dias volta-se ... e vai também navegar e pescar.